ANA MARGARIDA FONSECA

ANA MARGARIDA FONSECA

Título: “Tudo termina em clichés”? – representações de mulheres migrantes nas narrativas de Lídia Jorge

Resumo: A obra narrativa de Lídia Jorge é marcada pela atenção às questões identitárias, numa leitura complexa da contemporaneidade portuguesa, suas mudanças e contradições. Fazendo parte da memória coletiva portuguesa, a realidade da descolonização e a ocorrência de movimentos migratórios está presente em várias narrativas da escritora, com particular destaque para O Vento Assobiando nas Gruas (2002) e A Noite das Mulheres Cantoras (2011). Em ambos os romances se observa a representação de personagens que migraram de África para Portugal, quer como imigrantes (a família Mata; Madalena Micaia) quer como retornados (Solange de Matos e as colegas de grupo), num movimento de deslocação que tem implicações profundas na (re)definição das imagens identitárias coletivas. Com a presente comunicação, propomo-nos centrar a análise nas representações de mulheres migrantes nas obras referidas, procurando compreender os modos como Lídia Jorge questiona estereótipos, silêncios, vozes e interditos, numa perspetiva simultaneamente feminina e universal, sem perder de vista a ancoragem nas grandes questões da pós-colonialidade portuguesa.

*
Ana Margarida Fonseca é professora adjunta no Instituto Politécnico da Guarda desde 1991. Possui mestrado e doutoramento em Literatura Comparada pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Membro integrado do Centro de Estudos Comparatistas (FLUL) e membro colaborador da Unidade para o Desenvolvimento do Interior (IPG) e do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa. Para além de artigos incluídos em revistas, obras coletivas e livros de atas de âmbito nacional e internacional, é autora de Projectos de Encostar Mundos. Referencialidade e Representação na Literatura Angolana e Moçambicana dos Anos 80 (Prémio Revelação da APE – Ensaio Literário, Difel, 2002) e de Percursos da Identidade. Representações da Nação na Literatura Pós-Colonial de Língua Portuguesa (Fundação Calouste Gulbenkian /FCT, 2012).