MARIA ZILDA CURY

MARIA ZILDA CURY

Título: O corpo feminino em exílio: A chave de casa, de Tatiana Salem Levy

Resumo: A chave de casa, de Tatiana Salem Levy (2007) põe em cena os traumas hereditários dos judeus, recuperando também o trauma social e político da ditadura militar no Brasil. A narrativa coloca em evidência os traços de uma autoficção ao aproximar a trama aos dados biográficos da escritora. O romance assume a forma de uma espiral de memória no interior da qual se apresentam identidades cuja figuração se coloca como uma estranheza do sujeito sobre si mesmo: a narradora se apropria de uma pluralidade de raízes e de lugares de pertencimento, colocando assim em suspensão o registro das suas origens.

*
Maria Zilda Cury Possui doutorado em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (1988) e Pós-doutorado pela Sorbonne Nouvelle- Paris III (1999). Professora Titular de Teoria da Literatura pela UFMG e coordenadora do projeto de pesquisa “Intelectuais e vida pública: mediações e migrações”, financiado pelo CNPq a que seu projeto individual de pesquisa – “Imigrantes na literatura” – encontra-se vinculado. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Comparada, atuando principalmente nos seguintes temas: imigrantes, intelectuais e vida pública, Carlos Drummond de Andrade, Belo Horizonte, leitura e intertextualidade. Coautora de Literatura: movimentos de leitura (2012) e de Mia Couto: espaços ficcionais (2008); coorganizadora de África: dinâmicas culturais e literárias (2012).