MARINELA FREITAS

MARINELA FREITAS

Título: Exílios e avessos na poesia de Luiza Neto Jorge

Resumo: Os diversos exílios, literais e metafóricos, que marcam a obra e a vida de Luiza Neto Jorge dão conta do posicionamento crítico que a autora sempre adoptou em relação ao contexto politicamente opressivo em que produziu parte da sua poesia – o regime ditatorial do Estado Novo –, ao mesmo tempo que permitem equacionar a importância do fenómeno poético como “centro de liberdade” (para usar uma expressão de António Ramos Rosa). De facto, os movimentos de deslocação de Luiza Neto Jorge, entre Portugal e França, alteram a sua relação com a literatura nacional e com a própria língua, levando-a a procurar um novo modo de escrever e de dizer o mundo. Ao relocalizar-se, Neto Jorge desinscreve-se da tradição dominante, assim como se desinscreve da própria tradição feminina – procurando os seus avessos –, e tomando a construção da identidade, enquanto processo linguístico e político, como foco de resistência quer para a desconstrução dos estereótipos ligados à diferença sexual, quer para a denúncia da repressão da sexualidade.

*
Marinela Freitas é investigadora do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, onde atualmente desenvolve um projeto de pós-doutoramento na área dos Estudos do Pós-humano, sendo bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). É doutorada em Estudos Anglo Americanos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com uma dissertação sobre Emily Dickinson e Luiza Neto Jorge. Tem publicações várias nas áreas da Literatura Comparada, das Literaturas Portuguesa e Norte-Americana, dos Estudos Feministas, da Teoria Queer e dos Estudos da Utopia. É autora de Emily Dickinson e Luiza Neto Jorge: Quantas Faces? (Afrontamento, 2014) e co-editora, entre outros, de New Portuguese Letters to the World: International Reception (com Ana Luísa Amaral e Ana Paula Ferreira, Peter Lang, 2015), Novas Cartas Portuguesas Entre Portugal e o Mundo (com Ana Luísa Amaral, D. Quixote, 2014) e Utopia Matters (com Fátima Vieira, UPorto, 2005). Colaborou ainda como investigadora no Dicionário da Crítica Feminista (Afrontamento, 2004) e na edição anotada de Novas Cartas Portuguesas (2010, Dom Quixote). É membro do projeto de investigação transdisciplinar “Utopia, Alimentação e Futuro: o modo de pensar utópico e a construção de sociedades inclusivas – um contributo das Humanidades”, financiando pela FCT. Áreas de investigação (palavras-chave): Poéticas Comparadas, Poesia Portuguesa (séc. XX), Poesia Norte-Americana (séc. XIX), Estudos do Pós-humano, Literatura e Ciência, Estudos Feministas e Estudos Queer, Utopia e Género.